Para conteúdos exclusivos Iniciar sessão Registe-se

Marco Fialho





Há quem queira ser astronauta, ou futebolista, ou polícia. Marco Fialho sempre soube que iria ser barbeiro. Com 10 anos de carreira e uma experiência profissional ímpar, Marco é um dos barbeiros mais certificados em Portugal.




No passado mês de agosto, venceu o World Barber Championship 2019, cuja final aconteceu em Lisboa, tendo sido o culminar de muitos anos de dedicação à arte da barbearia. No seu espaço, Fear the Beard, localizado na Torre da Marinha (Seixal), recebe clientes dos 8 aos 80 e de vários pontos do país, atraídos pela fama e pela arte de quem ama o que faz e quer fazer sempre melhor. A Beautyland falou com o barbeiro do momento.



 
COMO SURGIU ESTA PAIXÃO PELA BARBEARIA?

No meu caso, a paixão surgiu quando eu ainda era pequeno. Frequentava o barbeiro com o meu pai, já tinha alguma confiança com o barbeiro dele, e passou a ser o meu barbeiro depois. Desde pequeno que lhe dizia que ia trabalhar com ele ou ia ficar com a loja dele. Ainda tentei que isso acontecesse mas infelizmente não foi possível, pois ele adoeceu, numa altura que eu não estava em Portugal, e quando regressei, ele já não tinha a loja nem o material. Mas a minha vocação vem desde muito cedo. Há crianças que querem ser astronautas, futebolistas, polícias... eu sempre quis fazer parte deste mundo da barbearia.



 
ALGUMA VEZ PONDEROU SEGUIR OUTRA ÁREA OU NUNCA TEVE DÚVIDAS DO QUE QUERIA FAZER?

Nunca tive dúvidas mas nem sempre foi um percurso fácil. Quando tinha 18/19 anos, inscrevi-me num curso de cabeleireiro, mas na altura essa profissão não era bem vista, então acabei por "ceder" e desisti 2 meses depois. Nessa altura, segui outra área, e fui pintor de construção naval durante um tempo. Felizmente, as coisas mudaram, e assim que consegui ganhar autonomia para tirar o meu curso e seguir o meu sonho, foi isso que fiz!







O QUE AS PESSOAS MAIS PROCURAM NAS SUAS FORMAÇÕES?

Como já tenho alguma experiência no mundo dos cabelos, devido às várias formações, idas ao estrangeiro, etc., procuro criar métodos eficazes que deem boas bases aos alunos, que possam ser aplicadas da melhor forma possível, com rapidez e eficiência. Ou seja, é importante desenvolver um trabalho de qualidade mas é também fundamental ter uma forma organizada de trabalhar no dia a dia, com timings e protocolos certos, para se conseguir executar o máximo de serviços possível.






ACHA QUE OS ALUNOS TÊM UM REAL INTERESSE NESTA ÁREA OU INTERESSAM-SE APENAS PORQUE "ESTÁ NA MODA"?

Eu acredito que muitos deles venham porque é uma profissão que "está na moda". Gostam da imagem irreverente do barbeiro (tatuagens, maneira de vestir, as cores no cabelo) e da liberdade de criarem o seu próprio estilo, algo mais difícil de fazer noutro tipo de trabalho, porque ainda existe algum preconceito. Além da parte da imagem, muitos começaram também a ver a possibilidade de abrirem o seu próprio negócio e não ter de trabalhar para ninguém, que é sempre algo aliciante.
Se tiverem a sorte de se cruzarem com formadores apaixonados pelo que fazem - como eu! - que têm a oportunidade de lhes passar essa paixão, e observar o percurso das pessoas, ver onde chegaram, é mais de meio caminho andado para se apaixonarem por esta área.
O mundo da barbearia é muito vasto, dá para fazer muita coisa e permite-nos fazer coisas novas todos os dias. Só de pensar que, em apenas 20 ou 30 minutos, conseguimos mudar a imagem de uma pessoa e fazê-la sentir-se melhor, é muito gratificante.






O QUE ACHA MAIS IMPORTANTE PASSAR AOS NOVOS FORMANDOS?

Antes de mais, a paixão! Claro que eles procuram também as formações porque querem evoluir tecnicamente, aproveitando também todo o meu know-how adquirido ao longo destes anos. Hoje em dia, está tudo mais facilitado. Quando eu comecei, não tive acesso a este tipo de formação, nem aos produtos. Se eu precisasse de alguma máquina ou algum acessório mais específico, era muito difícil encontrar, até porque as empresas não viam mercado nesta área. Atualmente, com a evolução da área em Portugal, as marcas começam a interessar-se. Por exemplo, eu e mais alguns barbeiros, já somos embaixadores de marcas e temos um acesso mais facilitado aos produtos, muito mais que antigamente.




PORTUGAL É UM PAÍS COM BONS PROFISSIONAIS OU ACHA QUE HÁ PESSOAS QUE ACABAM POR IR ATRÁS DESTA NOVA "TENDÊNCIA", SEM SE PREOCUPAR MUITO COM A QUALIDADE DO SERVIÇO OFERECIDO?

Há de tudo, como em todas as áreas. Ao nível deste tipo de barbearia vintage, o conceito tem sofrido algumas alterações ao longo do tempo, devido à evolução técnica desta área. Hoje em dia fala-se mais em barbearia new school.

 


QUE PORTAS LHE ABRIU O PRÉMIO QUE VENCEU RECENTEMENTE, O WORLD BARBER CHAMPIONSHIP 2019?

A vitória no World Barber foi o reconhecimento de todo o trabalho que tenho feito ao longo dos anos. Penso que o meu percurso profissional e a experiência adquirida ajudaram a vencer esta prova, e recebi várias propostas por parte dos organizadores, o que me vai permitir mostrar o meu trabalho além-fronteiras.

 

 
QUAIS OS SEUS PRÓXIMOS PROJETOS?

Em relação ao prémio que recebi no World Barber, há alguns projetos mas não posso ainda divulgar em concreto o que vai acontecer. Posso apenas dizer que vai envolver muitas idas ao estrangeiro, muita formação lá fora. Enfim, muitas novidades a acontecer em breve. É o culminar de um trabalho de muitos anos. Ser reconhecido como um dos melhores na minha área é muito gratificante, penso que seja o objetivo de qualquer pessoa, independentemente da área, quando faz aquilo que gosta.




Fotografia © Andrieferson Silva

 


Artigos Relacionados

Rentabilidade das barbearias
Barbearia
Rentabilidade das barbearias
A tesoura e a navalha são para continuar?
Barbearia Oliveira
Barbearia
Barbearia Oliveira
Uma viagem no tempo, um projeto solidário
Barbershops
Barbearia
Barbershops
A tradição ainda é o que era?
Fechar Registe-se
Fechar